Na banheira entre patos e palavras.

Flávia Péret constrói um livro-diário capaz de fazer o leitor rir, sentir raiva, nostalgia, abandono; percorrer, enfim, uma miríade de sentimentos.

Uma personagem narradora está sempre em outro lugar. No caso, dividida entre a vida lá fora e a vida que precisa escrever no papel a conselho do médico?

Uma linguagem enxuta na qual cada palavra exala a sua razão de ser – razão de ser ali, naquele lugar onde está e não em outro. Em Os patos [Impressões de Minas, 2018], Flávia Péret faz a simplicidade desabrochar como grandeza. Ali, a palavra lançada no risco de uma escrita sem fim encontra sua finalidade.

Tendo como interlocutores o médico, a folha em branco e suas próprias questões, a personagem narradora cai como um patinho no exercício de escrever pensando que pode racionalmente controlar o que se produz enquanto produz.

O resultado de nadar (um pé depois do outro?) é virem à tona contradições e (auto)ironias que revelam sobre a personagem coisas que estão para além do que é dito. O mesmo acontece com o leitor, que se não estiver distraído o bastante para escutar enquanto lê, talvez perca o melhor da patacoada: afirmações disparatadas, passando pelo cômico e o espirituoso numa “bazófia” interessantíssima.

É possível cura sem palavra? É possível cura sem humor. Ou sem amor?

Num ser-estar que ao tatear palavras deixa-se embalar pelas coisas que são e estão sem que nada prove que sim e sem que nada convença que não, Flávia Péret nos embrenha em uma narrativa que nasce da mistura do que seja desejo e sintoma. Mas desejo que só gera repetição pode ser chamado desejo ou é apenas sintoma? Serão patos o que nasce depois que pactos perdem alguma coisa?

Gosto de pensar que minha escolha por dizer livro-diário e não diário em forma de livro (nem livro em forma de diário) tem a ver com a novidade de sentido que essa síntese – ao modo do próprio texto – faz nascer. A palavra livro flerta com a ideia de um livramento, aquele que a personagem conquista diariamente enquanto espera uma redenção que, ao contrário de seu próprio corpo, não está no presente mas sim em outro lugar, o lugar do inesperado.

Num livro-diário, pouco a pouco deixa-se de pagar o pato fazendo com que diferentes tempos e histórias sobre um corpo coincidam minimamente. Fazendo dos próprios sintomas uma parte integrante de seu corpo, a voz mulher por trás do diário e nas linhas dele vai construindo uma imagem – peitos, cabelos, falhas, unhas – e incorporando nessa figura também uma menina com seus fingimentos, roupas, verdades. E outras mulheres e homens e também pedaços.

Os patos é um livro inteiro escrito em pedaços. O projeto gráfico do Estúdio Guayabo dá conta de não deixar que o intimismo e o bom humor se percam também no livro-objeto, seja pelas cores escolhidas e até mesmo por um detalhe como a fonte escolhida para o texto (e pela forma com que nele algumas palavras se sublinham).

Um chupe-chupe fabricado com leite condensado com histórico de unha dá exemplo de uma das muitas passagens cômicas que comparecem para materializar todo o estranhamento, horror e necessidade de perceber que o desejo – e o gozo – são também feitos do nojo e da possibilidade de separar os nojos próprios dos alheios.

Falar dos próprios peitos e dos peitos sem leite da mãe – nojo ou prazer?
Falar do que coça, arde… Do que pica.
Falar da recusa a dizer sim a um homem como possibilidade de provocar e não apenas viver o mal-estar.

Da banheira para a lagoa.

São tantas, afinal, as poéticas e patéticas pato-logias possíveis para contar a história de um corpo. Mas não qualquer corpo: o corpo singular de uma mulher.

→ Leia também: Entrevista com Flávia Péret




Flávia Péret é escritora e professora. Vive e trabalha em Belo Horizonte.


Comentários no Facebook

comentários

Sobre o Autor Andressa Barichello

Autora de "Crônicas do Cotidiano e Outras Mais" (Scortecci Editora, 2014). Além de escrever, é mestre em Direito e Literatura pela Universidade de Lisboa.

comentários no fotoverbe-se (1)

comentários no fotoverbe-se (1)

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode utilizar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>